Primeira estréia do Villa Coral

As crianças do Villa Coral estão prestes a fazer sua primeira apresentação!
Serão dois dias: primeiro uma apresentação para a comunidade local na igreja do Morro Boa Vista 23 de novembro de 2010(à tarde) e na semana seguinte no Pequeno Auditório da SCAR, 30 de novembro de 2010 às 19h30 (entrada franca para todos que quiserem prestigiar este trabalho).

Foram sete meses de preparo com aulas de música, cênicas e visuais para aprender com as professoras Beth Mueller, Tanise Creuz e comigo (Violeta Polo), respectivamente: noções de ritmo, canto, musicalização, expressão corporal e vocal, além de muitos exercícios de criação visando desenvolver o sentido plástico e espacial das crianças trabalhando em diferentes escalas, planos e materiais para a construção do espetáculo. Algo que não foi deixado de lado durante todo o processo foi a ampliação do repertório das crianças nessas três áreas que aqui se complementam.
Nós professoras atuamos neste projeto como diretoras, estimulando a criatividade das crianças, resgatando memórias e organizando essas informações na construção do enredo do espetáculo. Também a partir desses dados, foram concebidas as letras das músicas e as estruturas básicas de desenho de cena, cenário e figurino que as crianças posteriormente desenvolveram com muito empenho e alegria atingindo resultados admiráveis.


Na minha área em particular, a qual posso falar com maior propriedade, posso afirmar o quanto essas crianças se desenvolveram. Tenho como perspectiva a dificuldade que muitas apresentavam no começo do projeto para representar, por exemplo, um ambiente desenhando numa folha de papel e, os ambientes em escala natural que conseguem montar atualmente usando módulos de papelão. Durante todo o percurso foram instigadas a dominar o espaço. Começaram explorando novas maneiras de aproveitar a área do papel; depois estudaram proporções e ainda em escala reduzida partiram para o tridimensional construindo maquetes com bloquinhos de lego e posteriormente com dobraduras de papel.
Em um dado momento inseri as caixas de papelão, e elas foram o alicerce na construção do cenário atual. Eles aprenderam a reformar as caixas e conseguiram através delas construir diversos ambientes e empregar este mesmo objeto a diversas aplicações. Se estou satisfeita? Posso dizer que estou orgulhosa delas porque conseguiram assimilar e desenvolver bem a proposta, mas ainda há muito a explorar.


Em relação ao figurino, para eles foi uma festa. Por enquanto no espetáculo não existe a definição de personagens, nesta etapa do trabalho eles ainda estão se descobrindo e no palco limitam-se a apresentar suas personalidades com respectivas particularidades e coletivismo. Assim, propus para as crianças que pensassem como elas gostariam de se apresentar no palco e transformassem uma roupa básica preta padrão para todo o grupo, aplicando adereços e estampas construídas por elas mesmas. Como material, elas receberam retalhos de tecidos coloridos e bolinhas de isopor e, usando tesoura, cola para tecido e fio de nylon soltaram sua imaginação. Foi como se a roupa preta fosse uma tela em branco na qual tiveram a possibilidade de imprimir a aparência com a qual gostariam de ser vistas. Foi um ótimo exercício.

PS: O Projeto Villa Coral foi idealizado por Beth Mueller (na foto ao lado), é administrado pelo Ponto de Cultura SCAR e finaciado pelo Ministério da Cultura do Governo Federal. As aulas foram ministradas durante o ano letivo de 2010 no CRAS do Morro Boa Vista atendendo crianças que estudam em escolas das mediações.

“Minha escola colorida:oficina de pintura mural”

O Projeto "Minha escola colorida: oficina de pintura mural" está atendendo a E.M.E.F Marcos Emilio Verbinnen e até o final do mês contemplará também a EMEF Vitor Meirelles que se localizam em áreas periféricas de Jaraguá do Sul/SC. Este projeto recebeu apoio do Fundo Municipal de Cultura de Jaraguá do Sul no edital 01/2010 e é ministrado por sua idealizadora (eu mesma)e recebe apoio também de outros artistas, professores e funcionários das escolas.
São 120 alunos envolvidos diretamente com o projeto nas escolas e eles participam de todas as etapas da execução. Antes de sair pintando os muros, os alunos participam de uma oficina na qual aprendem sobre a história da pintura mural (desde a antiguidade à contemporaneidade), escolhem o tema, discutem com seus colegas, desenvolvem desenhos e experimentam a combinação de cores e possibilidades de composição.


O intuito do projeto é de aprofundar a relação do aluno com sua escola, despertando sentimento de orgulho e z 

elo para com a sua escola, e ensejando ao aluno fazer parte de um trabalho executado de maneira coletiva e cooperativa, ao mesmo tempo desenvolvendo e aprimorando habilidades em artes plásticas. O resultado final do projeto manifesta a própria função social da arte, integrando a comunidade em torno de um discurso simbólico.
É de conhecimento geral que a atividade artística contribui para o desenvolvimento do indivíduo nos mais variados aspectos. Entre eles, podemos citar: capacidade de observação, memória, concentração, raciocínio, organização, disciplina e coordenação motora. Tais aspectos não se restringem ao domínio da arte, isto é, contribuem, conforme o nível de aprofundamento de experimentação, para um melhor aproveitamento intelectual nas mais diversas tarefas que o indivíduo encontrará em seu futuro acadêmico, profissional e até mesmo social.


Em outras palavras, estimular a criança e o adolescente por meio de linguagens artísticas tem um direto relacionamento, e quase sempre positivamente, com o desenvolvimento da maturidade, do caráter, da personalidade e da inteligência do cidadão.

Provar isso não é uma tarefa difícil. Quanto mais estimulado, mais experimentado, mais treinado, mais, enfim, preparado, mais o indivíduo terá posse intransferível daquilo que é possivelmente o maior valor para a humanidade: o conhecimento.

Isso posto, é de se frisar que além dos benefícios de uma infância e adolescência saudável e prenhe de experimentação das mais diversas, como é a arte em geral, o jovem poderá ter, a partir desta oficina oferecida a possibilidade de desenvolver e expressar dois elementos de importância fundamental para ele: sua própria sensibilidade artística e criatividade, além da oportunidade de comunicar-se com sua comunidade local.







Pretexto 2010 - SESC Jaraguá do Sul

Pretexto 2010

Apesar da falta de tempo de um típico final de ano participo novamente do Pretexto, projeto que mais uma vez organizado pelo SESC-Jaraguá do Sul que desta vez contou com curadoria de Josue Mattos (primeiro plano, ao lado dos artistas). Esta edição foi bem diferente das anteriores por vários motivos, só que eu não vou contar. O resultado da exposição pode ser conferido na Galeria do SESC de Jaraguá do Sul até meados de dezembro e 2010 e estão todos convidados.



Para a exposição, executei a pintura encáustica intitulada "O rei da casa", na qual de retratei meu gatinho listrado que pousou para mim de maneira imponente e majestosa e por conseqüência (pelo menos na tela) foi tingido de amarelo. É claro que existe um jogo de perspectiva e as patas esticadas aparecem maiores que a cabeça, mas novamente dentro desta técnica optei por deixar a figura um tanto indefinida de maneira que pode apenas ser identificada a distância para que o observador ao aproximar-se se distancie do tema
facilitando a fruição das cores sobrepostas, texturas e translucidez do material.

Essa é a foto que fiz do reflexo do meu quadro sobre a porta da galeria durante o coquetel de abertura. Publicarei a imagem do quadro apenas quando a exposição terminar!